Uma coisa é refluxo (presente em todos os bebês) e outra coisa é Doença do Refluxo Gastroesofágico (quando o refluxo é tão intenso, a ponto de causar alteração na qualidade de vida do bebê). Veja que estamos falando da alteração da qualidade de vida do bebê e não na qualidade de vida dos pais, isto

O tratamento da alergia às proteínas do leite de vaca baseia-se na exclusão completa das proteínas alergênicas e oferta de fórmula com proteínas extensamente hidrolisadas (aminoácidos e peptídeos) ou fórmula com aminoácidos. As características das proteínas do leite de cabra são muito semelhantes às da proteína do leite de vaca e estima-se que 90% das

Não existe alergia à lactose. O que existe é a intolerância à lactose, que ocorre quando a criança apresenta deficiência da enzima lactAse (responsável por digerir a lactose) e, portanto, não consegue digerir a lactose inteiramente. Assim, é um problema de digestão (e não de alergia). Mais esclarecimentos na seção: Alergia à proteína do leite

Chupetas, mamadeiras, copos, pratos, talheres, potes, copo do liquidificador, formas plásticas ou de silicone (de pães, pudins e de bolos), panelas de teflon (mais antigas, que estejam soltando o teflon), colheres de pau, panos de prato. Separe uma esponja para lavar somente os utensílios de seu filho. Se você usa panelas para cozinhar, separe algumas

Teste de provocação ou desencadeamento é um teste em que se reintroduz o alimento suspeito para saber se a criança realmente possui alergia OU para saber se a criança já melhorou (adquiriu tolerância). Este teste deve ser realizado em ambiente hospitalar ou ambulatorial a depender da história clínica (idade de início, manifestação inicial, presença de outros sintomas,

Uma questão recorrente entre as mães que amamentam o filho com suspeita de APLV é quais outros alimentos deveria evitar. As principais questões se referem ao glúten, trigo, ovo, carne, soja, peixe, banana e crustáceos. No entanto, o mais provável se a criança que amamenta mantêm sintomas mesmo com a dieta de exclusão materna é

Isto pode ocorrer por alguns motivos: A fórmula utilizada não está sendo adequada. Não houve tempo ainda para melhora dos sintomas. Lembrando que é preciso aguardar no mínimo 15 dias para avaliar a melhora dos sintomas após a instituição da dieta e da fórmula quando for o caso. Está ocorrendo escape alimentar. Quando há ingestão

O risco é muito pequeno (menos de 10%, devido à presença da albumina sérica bovina), por isso a exclusão da carne tem que ser avaliada com muita cautela, pois é fonte importante de proteína, ferro, zinco e vitamina B12. Idealmente é melhor dar preferência para carnes frescas, não embaladas pois existe um risco de contaminação

Alergia é qualitativa e não quantitativa, o estrago no organismo de seu filho será o mesmo se ele consumir traços, uma gota ou um litro do alimento alvo, portanto muito cuidado.

Os materiais plásticos (ex: tupperware), são porosos e por mais que se lave, sempre sobrarão vestígios de proteínas em seus poros.