As redes sociais são ótimas fontes de informação, mas principalmente de consolo, de companheirismo e de solidariedade. Contar com a ajuda de outras mães, com dificuldades semelhantes, fazem verdadeiros milagres e podem gradualmente fortalecer novamente a rede social da família de uma criança alérgica. “Esta rede de apoio é muito benéfica para a vida social

Em primeiro lugar é preciso entender porque não acreditam e na grande maioria das vezes é por falta de informação. Então mãos à obra! Não vamos apenas relatar, vamos informar, mostrar dados, cartilhas, livros, sites, etc. Vale até levar junto ao pediatra ou solicitar que o mesmo envie um e-mail ou formulário sobre o rigor

Uma coisa é certa: os pais sofrem muito mais… Nos primeiros dois anos de vida a criança não deve comer alimentos industrializados ou guloseimas, independente de ter ou não APLV. O que diferencia as crianças com ou sem APLV é o rigor com os utensílios, contatos diretos e indiretos e os traços e estes cuidados

Seu filho tem direito à merenda escolar adaptada e segura pois é portador de necessidade nutricional especial. LEI 12.982/2014, que entrou em vigor no fim de agosto/2014, complementando a lei 11.947/2009, referente ao direito à merenda escolar adaptada e segura para crianças com necessidades nutricionais específicas: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L12982.htm http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11947.htm Algumas mães se juntaram e, com experiências

Fazemos parte de uma cultura na qual a comida é algo de grande valor, quase todas as reuniões e encontros sociais são marcados por almoços, jantares ou cafés, entretanto, nem sempre é fácil conviver com isso quando há o diagnóstico de APLV. Mas qual é a solução? Excluir-se? De forma nenhuma, o ser humano é

Isto pode ocorrer por alguns motivos: A fórmula utilizada não está sendo adequada e é preciso mudar para uma fórmula de aminoácidos. Não houve tempo ainda para melhora dos sintomas. Lembrando que é preciso aguardar no mínimo 15 dias para avaliar a melhora dos sintomas após a instituição da dieta e da fórmula quando for

Existem evidências crescentes que fatores ambientais (alimentação, poluentes, infecções, exposição a agentes infecciosos, etc) podem modificar o nosso material genético, principalmente em fases críticas do desenvolvimento (fase intra-útero até os dois anos de vida especialmente). Estas modificações podem ainda ser transmitidas aos nossos filhos. Assim, pode ser que a higiene “em excesso” (ver hipótese da

O que é FPIES? FPIES vem do inglês: Food Protein Induced Enterocolitis Syndrome é uma condição clínica que acomete lactentes e crianças jovens. A FPIES é uma reação imunológica (de defesa), não mediada por IgE, do sistema gastrointestinal (GI) a um ou mais alimentos específicos. Isto significa que os exames que detectam o anticorpo IgE

A introdução da alimentação complementar em crianças com APLV deve seguir os mesmos princípios preconizados para crianças sem APLV. Como toda e qualquer criança não deve ser iniciada a alimentação complementar antes dos 4 meses e nem depois dos 7 meses. Assim, não há restrição na introdução de alimentos contendo proteínas potencialmente alergênicas (ovo, peixe,

Sabemos que a criança está melhor da alergia quando ela entra em contato com a proteína do leite e não ocorrem sintomas. Mas a introdução da proteína deve ocorrer apenas com a autorização do médico e de modo criterioso, pois pode haver reações graves ou mesmo sinais sutis que os pais não levam em consideração.